Roda de troca de Saberes: Performances Decoloniais

Fátima Costa de Lima / Mediadora

Artista, carnavalesca, cenógrafa, figurinista, diretora teatral e professora do Departamento de Artes Cênicas no CEART. Graduada em Artes Plásticas, especialista em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Possui mestrado em Educação e Cultura e, é doutora em História Cultural. Com seu referencial teórico crítico, estuda temas relacionados à espaço, imagem e alegoria em teatro político, teatro negro, movimentos sociais e escolas de samba.

Ìdòwú Akínrúlí

Babalorixá, nigeriano. 

Artista, integrante e diretor do grupo musical Ò̩s̩é̩è̩túrá Africa'njazz do qual é dedicado em atuar artística e culturalmente na promoção e divulgação das artes fundamentadas na matriz africana de tradição Yorùbá. O grupo toca vários ritmos do oeste da África, como wórò, tungbá, àriyá, Highlife, Makossa, sukus além de afrobeat do Fela Kuti. Atualmente reside em Porto Alegre.

Jaider Esbell

Artista premiado, escritor e produtor cultural indígena do grupo Makuxi. Nascido em Roraima, Jaider fez carreira e conquistou prêmios na Eletrobras, realizando atividades de educação ambiental, sócio-culturais, além de contatos com empresas e comunidades indígenas. Paralelamente, formou-se em geografia e desenvolveu habilidades de escrita, desenho e artísticas a fim de expressar sua visão de mundo. 

Katú Mirim

Indígena guarani. Artista independente, suas músicas são de autoria própria. Indígena urbana de ancestralidade Boe, usa sua voz para falar sobre as questões indígenas - porém a artista não se considera uma artista indígena que só produz artes na temática indígena, mas sim uma artista que usa a música para falar sobre tudo que envolve seu mundo.

Marcelo da Silva

O Professor e Músico Marcelo atua na área da etnomusicologia, do Samba, Samba-enredo, do Carnaval e dos Festivais de música. Doutor em Antropologia Social na UFRGS. Sua tese se intitula: "O poder da criação" : outras histórias sobre os festivais de samba-enredo nas encruzilhadas do sul do Brasil.

Roda de troca de Saberes: Territorialidades e Mobilidades

André Souza Martinello / Mediador

Professor do Departamento de Geografia na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo/USP (2015), mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC (2012), mestrado multidisciplinar em Desenvolvimento Rural/PGDR pela Faculdade de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS (2010).

Ale Mujica Rodríguez

Faz parte do Núcleo de Pesquisas e Estudos de Travestilidades – Transexualidades – Transgeneridades (NeTrans) da Universidade Federal de Santa Catarina. Se identifica como Sapatânica, TransImigrante, Sudaka, Transfeminista, Marica, Não binarie, gorde, pute e carinhose. Luta pelo útero-livre e é gordactivista. É formade em medicina pela Universidade Autónoma de Bucaramanga, Colômbia (UNAB), mestre em Saúde Coletiva pela UFSC e doutore em Saúde coletiva pela mesma universidade. Desenvolve pesquisas no campo do gênero e saúde, da gordofobia e das políticas públicas.

Azânia Mahin Romão Nogueira

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e graduada em Geografia pela mesma universidade. Pesquisa na área de Geografia Humana, com ênfase em Relações Raciais, articulando território, teoria do pensamento geográfico, gênero e currículo. Sua dissertação se intitula “Territórios Negros em Florianópolis”. Azânia Romão Integra o Núcleo de Estudos Negros e é participante do grupo Alteritas: Diferença, Arte e Educação, grupo de pesquisa e extensão, localizado no Centro de Ciências da Educação (CED), da Universidade Federal de Santa Catarina.

Karine de Souza Silva

Professora Karine tem experiência na área de Epistemologias do Sul, abordagens Pós-coloniais e Decoloniais aplicadas ao Direito Internacional e às Relações Internacionais. É coordenadora do “EIRENÈ – Centro de Pesquisas e práticas Decoloniais e Pós-coloniais aplicadas às Relações Internacionais e ao Direito Internacional” – e do projeto de extensão “Apoio a Imigrantes e Refugiados” (NAIR/Eirenè/UFSC)

Lirous K'yo

A ativista Lirous K'yo atua como DJ e no campo Serviço Social.  É voluntária na Associação em Defesa dos Direitos Humanos com Enfoque na Sexualidade (ADEH), Organização Não-Governamental que atua no sentido da garantia de direitos, enfrentamento aos preconceitos, promoção de saúde e da discussão no campo dos Direitos Humanos e das políticas TLGB+ (Travestis, Transexuais, Lésbicas, Gays e Bissexuais+).

Mahfouz Ag Adnane

Graduou-se em História pela Universidade Al-Azhar, Egito. É doutor em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/SP. Realizou especialização em História Africana Contemporânea na Universidade do Cairo, Egito - Instituto  de Pesquisa e Estudos Africanos. Dedica-se aos estudos sobre a história do Saara, principalmente da sociedade Tamacheque (Tuaregue). É membro e pesquisador da Casa das Áfricas - Amanar e do do Centro de Estudos Culturais Africanos e da Diáspora - CECAFRO/PUC-SP.

Ana Patté

Indígena do povo Xokleng de Santa Catarina. É representante da juventude indígena de sua comunidade, conselheira no conselho Estadual dos Povos Indígenas (CEPin) e fez parte da comissão organizadora do Encontro nacional de Estudantes Indígenas (ENEI). Possui graduação em Licenciatura Intercultural Indígena pela Universidade Federal de Santa Catarina com o trabalho de  conclusão de curso sobre “Barragem norte na Terra Indígena Laklãnõ. Faz parte do CIMC (Comitê Indígena de Mudanças Climáticas) que abrange as cinco regiões do Brasil, faz discussões em oficinas promovidas pela RCA (Rede de Cooperação Amazônica) e pelo ISA (Instituto Sócio Ambiental) formação em mudanças climáticas e incidência política.

Diálogos Contemporâneos: Narrativas Históricas

Adriano Denovac / Mediador

Graduado em História (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC em 2014. Mestre em História do Tempo Presente, linha de pesquisa Linguagens e Identificações na Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC em 2017. Doutorando em História do Tempo Presente, linha de pesquisa Políticas de Memória e Narrativas Históricas na universidade Estadual de Santa Catarina -UDESC. Vinculado ao AYA - Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais.

Gerson Galo Ledezma Meneses

É professor na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA) onde atua na área da História da América Latina. Também trabalha com os temas da História Andina, História da Colômbia e História do Brasil.  É Licenciado em História pela Universidad del Cauca na Colômbia, com mestrado em História Andina na Universidad del Valle e doutor em História pela Universidade de Brasília.

Joaquim Paka Massanga

Coordenador pedagógico do II ciclo - Colégio Dom Domingos Franque em Cabinda\Angola, Docente da Universidade Onze de Novembro (UON/Angola). Possui Graduação em Direito pelo Instituto Superior Politécnico Lusíada de Cabinda e Graduação em Ensino de História pelo Instituto Superior de Ciências da Educação de Cabinda. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais com a dissertação “Diversidade Cultural em Cabinda: Um estudo sobre as Identidades e Práticas Culturais dos Bawoio do Yabi”. Atualmente é Doutorando em História no Programa de Pós-Graduação em História do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Roda de troca de Saberes: Mundos do Trabalho e Redes de Sociabilidade

Vera Gasparetto

/ Mediadora / Coordenadora simpósio

Doutora pelo Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH), na Universidade Federal de Santa Catarina. Defendeu a tese intitulada "CORREDOR DE SABERES: Vavasati Vantinhenha (Mulheres Heroínas) e redes de mulheres e feministas em Moçambique". Atua na área de Desenvolvimento e políticas públicas, Comunicação, Imagem da mulher na mídia, Educação para a comunicação, Mundo do Trabalho, Juventude e Gênero, Educação Popular Realizou sua pesquisa de campo do Doutorado com os movimentos de mulheres e feministas em Moçambique, onde é pesquisadora associado do Centro de Estudos Africanos (CEA), da Universidade Eduardo Mondlane (UEM). Atualmente coordena a linha de pesquisa "Diversidade sexual e de gênero, ativismo, cidadania e direitos humanos", da Organização Moçambicana Bloco 4 Foundation.

Valmor Schiochet

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Possui graduação em Estudos Sociais pela Fundação Educacional de Brusque, mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Política, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas, economia solidária, movimentos sociais, democracia e crise capitalista.

Jean Rosier

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015) e mestrado em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2017). Sua dissertação se intitula “O Turismo no Haiti: Envolvimento na Cadeia Global do Turismo e Reflexos Socioeconômicos Locais”.Trabalha em Santa Catarina no Centro de Referência de Atendimento ao Imigrante de Santa Catarina (CRAI-SC).

Filipe Tchinene Calueio

Possui graduação em Teologia pela Faculdade Entre os Rios do Piauí (2018). Graduando em Relações Internacionais- Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É coordenador do grupo e projeto de pesquisa: Os Sistemas Internacionais de Proteção aos Direitos Humanos e o Meio Ambiente.

Rosmari Marinello dos Santos

Mora em Xaxim-SC, está no Movimento de Movimento de Mulheres Camponesas, construindo no coletivo de formação, vice-presidente do conselho da mulher de Xaxim e trabalho nas pastorais sociais. Filha de agricultores, ficou até os 18 anos na roça, é autônoma  e tem um pequeno comércio em parceria com o esposo.

Marilete Molinari De Bastiani

Camponesa, dirigente e militante do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Assentada no Assentamento Dom José Gomes  em Chapecó (SC). É pedagoga e pós-graduada em Educação especial. Participa do MMC desde 2004, produzindo agroecológicos.

Kerexu Yxapyry

Ela foi a primeira cacica reconhecida no Brasil. Liderou a comunidade da aldeia Itaty no Morro dos Cavalos contra as ofensivas motivadas pela especulação imobiliária e outros interesses econômicos e se dedica à campanha para homologação do Território Indígena. formou-se na Universidade Federal de Santa Catarina na primeira turma do curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica em abril de 2015, com o objetivo de conhecer e entender as leis do mundo não-indígena para ajudar a comunidade. Em 2018, foi a primeira mulher indígena candidata a deputada federal por Santa Catarina , recebendo 10.252 votos.

Roda de troca de Saberes - Educação: Saberes e Interseccionalidades

Cauane Maia / Mediadora

Doutoranda e Mestra pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da UFSC e vinculada a linha de pesquisa "Parentesco, geração, gênero e sexualidade" e ao Núcleo de Pesquisa em Fundamentos da Antropologia (A-funda). Bacharel em Administração e graduanda em ciências econômicas. Pesquisa o protagonismo negro em Florianópolis através da perspectiva interseccional entre raça e gênero. Atua em coletivos dos movimentos sociais e instituições de combate ao racismo e violências de gênero em diversas linguagens, como Cores de Aidê, Portal Catarinas e ACR-Anarquistas Contra o Racismo.

Ana Rita Santiago

Professora, doutora em letras pela universidade Federal da Bahia (UFBA), Pós-Doutora pela Universitè Paris Descartes. Mestra em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Foi Pró-reitora de Extensão da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). É autora do livro Vozes literárias de escritoras negras, Tranças e redes: tessituras sobre África e Brasil. Atuado principalmente nos temas: literatura afro-feminina, escritoras negras, educação pluricultural e antidiscriminatória, identidade e memória, literatura negra, gênero e literatura, autoria negro-feminina no Brasil e em países africanos em língua portuguesa.

Caio César

Professor de geografia no ensino básico, escritor e youtuber. Trabalha com a temática de masculinidades negras. Faz parte do projeto MEMOH com a propósito de promover a equidade de gênero fazendo o homem refletir sobre seu modo de agir consigo e com a sociedade. Também faz parte da escrita do livro: Diálogos Contemporâneos Sobre Homens Negros e Masculinidades.

Hélder Pires Amâncio

Doutorando em Antropologia Social na Universidade Federal de Santa Catarina e mestre na mesma área. Se graduou em Antropologia pela Universidade Eduardo Mondlane em Moçambique e atualmente é pesquisador vinculado ao Núcleo de Estudos de Populações Indígenas (NEPI) e ao Departamento de Arqueologia e Antropologia da Universidade Eduardo Mondlane.

Joziléia Kaingang

Indígena Kaingang, foi a primeira mestranda indígena no curso de Pós-Graduação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), atuou como professora de geografia. Lutou pela instituição de Ações Afirmativas na graduação e pós-graduação em Antropologia Social da UFSC. Com uma visão interdisciplinar, trabalha com os eixos temáticos de mulheres indígenas, arte indígena, saúde sexual e universidade. Atualmente, é doutoranda em Antropologia Social pela UFSC.

Sónia André

Sónia André é Cofundadora Presidenta do Núcleo de Estudantes Africanos em Alagoas -NEA-AL, Atriz pelo Cinema Brasileiro no Filme Guerreiros de Jorge e pelo grupo do Teatro do Oprimido de Alagoas. Membro da Associação Brasileira de Educação Musical-ABEM. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Alagoas-UFAL com sua Tese “O Unyago na Educação da Menina/Mulher Entre o Povo Yaawo da Província do Niassa, Moçambique”. Sónia André é Mestra em Educação, Pós-Graduada em Ensino da Arte-Música e  Licenciada em Educação Musical pela UFAL.

Aline Cristina Oliveira do Carmo

Professora e membro do grupo de pesquisa sobre Filosofias Decoloniais: corpos, poderes e saberes do Colégio Pedro II. Membro da Rede Carioca de Etnoeducadoras Negras e do grupo de pesquisa Formação de Professores, Pedagogias Decoloniais, currículo e interculturalidade: agendas emergentes na escola e na universidade. Bacharel, licenciada e doutora em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, bacharel em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e mestre em Filosofia pela UERJ.  Com diploma de postítulo em Direitos Humanos e Processos de Democratização pela Faculdade de Direito da Universidade do Chile.

Diálogos Contemporâneos: Descolonizar a Universidade

Siméia Mello / Mediadora

Diretora administrativa do Instituto de Promoção Humana e Cultura Encrespa Geral. Uma das fundadoras e atual diretora administrativa do Instituto Ella Criações Educativas. Além do mais é mestra em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e atua como educadora, revisora e ativista pelos direitos humanos. Possui experiência como professora de nível fundamental e superior. Também atua como articulista, produzindo textos para canais e portais da internet, e ministra cursos e palestras tanto sobre questões sobre linguagem, relações étnico-raciais, gênero e educação.

Gersem Baniwa

Gersem José dos Santos Luciano Baniwa, educador, filósofo e doutor em Antropologia Social, é nascido na aldeia Yaquirana, no Alto Rio Negro, Amazonas. Atuando principalmente na área da Política Educacional e atualmente lecionando Educação Escolar Indígena da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas.

Celso Sanchez Pereira

O Biólogo e educador Celso Sanchez é professor na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), atua na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Coordena o Grupo de Estudos em Educação Ambiental desde el Sur, GEASur/UNIRIO. Licenciado em Ciências Biológicas pela UFRJ e mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, Cátedra UNESCO de Desenvolvimento Durável e com doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).